Novos acordos de cooperação internacional terão custos reduzidos

Publicado em: 03/04/2019 14:23:16

As instituições são apontadas como nível R1 (Atividade de Pesquisa Muito Alta) pela Carnegie Classification of Institutions of Higher Education, que classifica as atividades nas faculdades e universidades dos Estados Unidos


A CAPES assinou na semana passada, nos Estados Unidos, três acordos de cooperação internacional com duração de 10 anos. A partir de agora, estudantes brasileiros poderão cursar doutorado pleno nas universidades norte-americanas de Illinois at Urbana-Champaign, Purdue e Emory.

As instituições são apontadas como nível R1 (Atividade de Pesquisa Muito Alta) pela Carnegie Classification of Institutions of Higher Education, que classifica as atividades nas faculdades e universidades dos Estados Unidos. Além da oportunidade para os pesquisadores, os acordos também são importantes do ponto de vista financeiro: as três instituições arcarão com a maior parte do pagamento das bolsas, chegando até a 79%. A cooperação também prevê a isenção da taxa de tuition, - em torno de 50 mil dólares ao ano por aluno – que e seria paga pela CAPES. A redução dos valores investidos em acordos de cooperação faz parte de uma estratégia na política de negociação com as universidades estrangeiras para a redução de custos.

Os acordos ajudam a melhorar a formação de recursos humanos brasileiros, pois colocam alunos de doutorado pleno em áreas estratégicas para o desenvolvimento do Brasil, com a obrigação de trazer esse conhecimento de volta para ao país e com um custo menor devido aos novos acordos.

Na Universidade de Illinois, todas as áreas de estudo poderão ser abarcadas pelas bolsas e cada seleção pode oferecer até dez vagas de doutorado pleno por até cinco anos. O acordo com a Emory prevê bolsas de doutorado pleno de até 6 anos, em todas as áreas dentro da Laney Graduate School, com até cinco bolsistas em cada seleção. Purdue, por sua vez, tem foco na área de Agricultura, sua especialidade, e as bolsas de doutorado pleno podem chegar a seis anos de duração, com cinco bolsas em cada seleção.

As universidades participantes do acordo avaliam que o Brasil tem muito a oferecer não apenas no aspecto dos recursos humanos, mas também em materiais de estudos. Essas instituições acreditam que o País tem se esforçado para se colocar nas redes de pesquisas do mundo.

A comissão brasileira também reuniu-se com representantes de quatro instituições, dentre elas o Conselho Americano para a Educação, e da embaixada do Brasil em Washington.

 

Fonte: REVISTA GESTÃO UNIVERSITÁRIA – 03/04/2019 – BELO HORIZONTE, MG